Janiópolis, terça-feira, 11 de agosto de 2020 ESCOLHA SUA CIDADE

Paraná

11/12/2018 | Concebido por Goioerê

Número de engenheiras sobe quase 50% na região Noroeste

Número de engenheiras sobe quase 50% na região Noroeste

Em todo o país, as mulheres se destacam cada dez mais na Engenharia e na região Noroeste, a situação não é diferente. Em cinco anos, as microrregiões de Maringá, Cianorte, Campo Mourão, Paranavaí e Umuarama tiveram aumento de 48,60% de engenheiras. Eram 825 em 2013 e neste ano, são 1.226. Em todo o Estado, são 11.031 mil mulheres atuando nas mais diversas modalidades da Engenharia. O aumento estadual  foi de 35% entre os anos de 2011 a 2017. Mas ainda há uma grande disparidade quando os dados são comparados com o dos homens. É que existem 79.035 profissionais do sexo masculino registrados no Paraná – diferença de 592%.

Mesmo assim, por conta da demanda, o órgão adotou estratégias de fortalecimento e consolidação das mulheres, diz o gerente da Regional Maringá do Crea - Conselho de Engenharia e Agronomia do Paraná, Engenheiro Civil Hélio Xavier da Silva Filho. “Em 2017 foi criado um grupo formal para discussões e decisões relativas as dificuldades no meio, denominado Comitê Mulheres, que fomenta a participação feminina nas decisões que envolvem o sistema Confea - Conselho Federal de Engenharia e Agronomia.

A partir do Comitê, surgiu o “Movimento contra Assédio em Obras”, liderado pela atual presidente da Associação de Engenheiros e Arquitetos de Maringá (AEAM), Engenheira Civil Keila Uezi. “O movimento teve inicio após duas colegas minhas terem sofrido um grande assédio durante a execução de uma obra, que impossibilitou as mesmas de prosseguirem com o trabalho, pois se sentiram coagidas e com medo. Após relatos, entrevistei mulheres profissionais e foi aí que tudo começou”.

Outra mulher reconhecida na Engenharia é a presidente da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Cianorte, a Engenheira Civil Gabrielli Milani - gestão 2018/2020 -, que se formou na Universidade Estadual de Maringá (UEM). O primeiro emprego foi no Rio de Janeiro, em uma multinacional que constrói plataformas de Petróleo para Petrobrás. Em 2011 Gabrielli veio para Curitiba e trabalhou na Ipiranga Produtos de Petróleo até chegar a Cianorte. “Fiquei quatro anos na construtora, o que me garantiu um bom acervo para abrir a minha empresa e me credenciar para prestar serviços para um importante banco nacional”.

A UEM tem sido a grande formadora de profissionais de Engenharia, com registro de aumento da procura feminina. Neste ano, no curso de Agronomia, por exemplo, dos 411 alunos matriculados, 116 são mulheres - o que equivale a 28,22% dos acadêmicos.

DIA DO ENGENHEIRO

A Engenharia é a profissão que atende o maior número de segmentos no Brasil, segundo pesquisa do Crea-PR. São 102 títulos profissionais em oito modalidades: Agrimensura, Agronomia, Civil, Elétrica, Geologia e Minas, Mecânica e Metalúrgica, Química e Segurança do Trabalho. Os dados são em comemoração ao Dia do Engenheiro, celebrado nesta terça-feira, 11. No Paraná, são 83.106 profissionais habilitados, sendo que quase 50% deles são engenheiros civis, responsáveis por todas as etapas de uma construção.

 

PUBLICIDADE

Fonte: GOIOERÊ | CIDADE PORTAL | CREA/PR

OPINE!

CIDADE PORTAL
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso.

Desenvolvido por Cidade Portal